Conteúdo e Dicas

Os 5 erros de português mais cometidos em concursos públicos.

Postado em 5 de janeiro de 2016

mesa-de-estudos-2Dominar gramática, interpretação de textos e redação é fundamental para se garantir em qualquer concurso público.

Por isso, a prova de português não deve ser subestimada por quem acha que já domina a língua, segundo Pollyana Dieine, especialista em concursos e professora do Universo do Concurso. “É um estudo que demanda tempo, atenção e disposição”, alerta.

Além de pressupor que já conhece a matéria, o concurseiro pode pecar pela pressa, de acordo com Verônica Ferreira, professora de Língua Portuguesa do site Questões de Concursos. “É comum que o candidato leia os textos apenas uma vez, e parta para a resposta achando que já entendeu tudo”, afirma.

Veja a seguir alguns dos problemas mais enfrentados por concurseiros em provas de português, segundo a professora Verônica, e como impedir que eles comprometam o seu sucesso:

1) Interpretação de enunciados e textos
“O candidato muitas vezes tem o péssimo hábito de não ler o texto, ou de só achar que leu”, afirma. Segundo Verônica, muita gente não tem paciência para absorver os textos, ou fica tão preocupado com o tempo que perde a concentração na leitura.

Dica da professora: No caso de um enunciado, marque os verbos de comando – aqueles que distinguem a ação esperada do candidato, tais como “justifique”, “indique”, “comente”. Também vale reler com calma o que está proposto para garantir que você compreendeu bem. O mesmo vale para textos que você precisa analisar.

2) Uso da crase
Tema que confunde muita gente, a fusão do artigo feminino “a” com a preposição “a” tem regras específicas de emprego.

Dica da professora: Você está seguro de que não tem dúvidas sobre o uso da crase? Verônica aconselha uma revisão sobre o tema, com atenção especial para os casos optativos, isto é, aqueles em que a crase pode ou não ser usada.

3) Ortografia
Dependendo da banca, deslizes de ortografia podem eliminar um candidato. “É um erro clássico, que revela um candidato que não lê ou que não se preocupa com o que lê”, diz Verônica.

Dica da professora: Cultivar o hábito de ler jornais, revistas, livros e sites ajuda a diminuir os erros. Isso vale também para melhorar a redação.

4) Emprego de pronomes
Tema recorrente em provas, questões sobre pronomes frequentemente aparecem como “pegadinhas”. O concurseiro precisa tomar cuidado para não confundir as regras sobre colocação de pronomes oblíquos átonos, como “me”, “te”, “se”, “lhe”, “o” e “a”.

Dica da professora: Na língua falada, frequentemente ouvimos e falamos frases como “Me entregaram uma carta” ou “Você viu ela?”, que são incorretas segundo a norma culta. Para não se confundir na hora de escrever, é bom voltar aos livros e estudar com atenção as diferenças no uso de cada pronome.

5) Onde x aonde
Mais uma vez, a influência do português falado pode atrapalhar o concurseiro. Apesar de muita gente empregar “onde” e “aonde” indistintamente na língua oral, o mesmo não vale para a escrita, o que gera muitos erros em provas.

Dica da professora: “Onde” é empregado para ideia de algo fixo, que não tem movimento, como em “Onde você mora?”. Já “aonde” acompanha verbos que dão ideia de movimento, de mudança, como em “Aonde você foi?”. Para não fazer feio, o concurseiro precisa gravar essa distinção básica, segundo Verônica.

Na redação, pode-se fazer uma análise tanto do conhecimento gramatical do concurseiro, mas também de sua capacidade de organizar um texto, de desenvolver suas idéias com coerência e de argumentar com lógica. O estudo de redação também é de longo prazo, requer um professor empenhado que esteja disponível para corrigir muitas redações do candidato. O trabalho de redação é de evolução. O aluno faz uma e o professor corrige, demonstrando as falhas. Faz outra evitando repetir aquelas falhas e o professor corrige novamente, E esse processo deve se repetir muitas vezes. Enfim, é um trabalho de aperfeiçoamento.

CESPE
Pelo estilo do CESPE, o aluno não resolve exatamente as questões, mas sim julga afirmações. Por esse motivo, trata-se de uma prova totalmente diferente. E não há um modelo de questões, já que depende muito do que o texto escolhido pela banca oferece.
A melhor forma de estudar para o CESPE é o candidato fazer muitas provas da banca. Quantas mais ele fizer, mais acostumado ao estilo da banca estará e, consequentemente, terá mais chances de aprovação.
Estudar alguns tópicos é fundamental, como conjunções, preposições, pontuação… Mas, repito, fundamental é fazer as provas anteriores do CESPE.
Quando uma pessoa se dispõe a estudar para um concurso, ele deve se dedicar no limite.

Cesgranrio

SUPERIOR

A Fundação Cesgranrio faz provas extremamente interessantes. Trata-se de uma banca a qual privilegia o candidato que se esforça, que efetivamente estuda. A divisão de questões atende a uma razoabilidade: há um bom percentual de questões de interpretação – sempre muito bem redigidas, não dando margem a dúvidas -, e as de gramática percorrem geralmente os assuntos que se tornam fundamentais para o candidato escrever corretamente quando ingressa no serviço público: verbo, concordância, regência, colocação pronominal, crase, ortografia, pontuação, valores semânticos de conjunções e preposições.

MÉDIO

A Cesgranrio sempre apresenta provas inteligentes. Vê-se, por exemplo, que se trata de uma banca preocupada em não redigir questões dúbias, sobretudo de interpretação de textos, fato que denota grande respeito pelo candidato. Algumas matérias são fundamentais para o concursando fazer uma boa prova: regras de acentuação, crase, regência, colocação pronominal, concordância nominal e verbal, pontuação, semântica de conjunções e preposições, flexão e vozes dos verbos. Por fim, também é fundamental o candidato resolver provas anteriores da Cesgranrio. Assim, ele se adaptará ao estilo das questões da banca.

 

FONTE: Exame, Gazeta Online.

Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© Copyright 2011. Central de Cursos -Todos os direitos reservados. Entre em contato.
Avenida São Geraldo, 363 - Centro - Vitória da Conquista/BA - (77) 3424-9961

VOCEVE